Hospital terá de indenizar paciente por erro na aplicação de injeção

| 0 comentários

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) manteve sentença da comarca de Goiânia, que condenou o Hospital Samaritano a indenizar Naedi Dornelas de Melo devido a erro na aplicação de injeção com um medicamento.

Em razão de falha na forma de aplicação, feita por uma enfermeira, a paciente sofreu necrose nos tecidos da nádega esquerda e ficou com cicatriz estética.

O relator da matéria, desembargador Amaral Wilson de Oliveira, manteve os valores das indenizações por danos morais e por dano material e estético, de R$ 7.316,64 e R$ 4.850.

Para o magistrado a sentença não merece reparo por entender que os valores são suficientes. “Os valores arbitrados a título de danos morais e materiais estão consentâneos com a justa reparação que o caso requer, não sendo ínfimos a ponto de inocuidade quanto aos efeitos inibitórios, nem tão vultosos que possam vilipendiar o patrimônio do agente causador do evento”, destacou.

Para Amaral Wilson, assim como para o juiz, a prova pericial é incontestável ao concluir que a lesão sofrida por Naedi decorreu de ato praticado por quem aplicou a injeção. De acordo com ele, não se está diante de hipótese de responsabilização do hospital por erro médico, porque o resultado não é atribuído à atuação de médico, mas sim, à falha na prestação dos serviços hospitalares, mais especificamente, nos serviços de enfermagem.

A ementa recebeu a seguinte redação: Apelação Cível. Ação Indenizatória. Falha no Serviço de Enfermagem. Preliminar de Cerceamento de Defesa. Inexistência do Vício. Responsabilidade Civil Latente. Laudo Pericial Concludente Pela Existência de Culpa. Sentença a Ser Mantida. I – Não procede a preliminar suscitada pelo apelante. Não houve, em absoluto cerceamento ao seu direito de defesa. O juiz, ao sentenciar, lastreou-se no laudo pericial de fls. 149/152, que foi desfavorável aos contra-argumentos do recorrente. A ausência de laudo paralelo que poderia ser apresentado por seu assistente técnico não constitui elemento complementar e indissociável do laudo principal, servindo ele apenas de apoio técnico para o juiz e de possível contraprova da parte que o indicou. Ademais, cumpre salientar que o assistente técnico originalmente indicado foi substituído por outro, apontado pelo apelante, tendo este apresentado seu laudo às fls. 159/163. Desta forma não há que se falar em óbice ao direito de defesa. O juiz não está adstrito ao laudo paralelo, podendo desprezar o seu conteúdo caso esteja de acordo com o laudo do perito por ele nomeado. II – A prestação do serviço hospitalar compreende a conduta técnico-profissional dos médicos responsáveis pelo tratamento dispensado ao consumidor-paciente (“serviços médicos propriamente ditos”), bem como dos serviços inerentes à atividade hospitalar (“serviços de internamento”), tais como internação, alojamento, alimentação, exames, fornecimento de material cirúrgico, manutenção de aparelhos e serviços de enfermagem. No primeiro caso, o contrato hospitalar tem o mesmo conteúdo e a mesma natureza do contrato celebrado diretamente entre o paciente e o médico; a obrigação é assumida pelo hospital e executada pelo médico, de forma que eventual erro médico enseja a responsabilização em conjunto do hospital. No segundo caso, o contrato firmado com o hospital abrange o dever de segurança e incolumidade – proteção do consumidor-paciente de danos oriundos da falha de prestação do serviço, levando à responsabilização objetiva do hospital. III – Não se está diante de hipótese de responsabilização do hospital por erro médico, porque o resultado não é atribuído à atuação do profissional (segundo réu), mas sim, à falha na prestação dos serviços hospitalares, mais especificamente, nos serviços de enfermagem, atos de tratamento da paciente. IV – Os valores arbitrados a título de danos morais e materiais estão consentâneos com a justa reparação que o caso requer, não sendo ínfimos a ponto de inocuidade quanto aos efeitos inibitórios, nem tão vultosos que possam vilipendiar o patrimônio do agente causador do evento. Apelação Cível Conhecida, mas Improvida. Processo: 200691901368″. (Texto: Arianne Lopes – Centro de Comunciação Social do TJGO)

TJ/GO

http://www.tjgo.jus.br/index.php/64-imprensa/comunicacao-social/2507-hospital-tera-de-indenizar-paciente-que-teve-injecao-aplicada-errada

Autor: admin

Nossa banca de advogados iniciou suas atividades em 04 de abril de 2001, por iniciativa do sócio MURILO AMADO CARDOSO MACIEL que vindo da magistratura deseja prestar serviço de advocacia com qualidade e seriedade. Para isso contou com a colaboração de seu filho, atual sócio, RAFAEL FERNANDES MACIEL – OAB/GO 21.005 que juntos buscaram a realização desse sonho de um escritório grande e que preste serviços de qualidade.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.